Ao Vivo

Delegacia faz 1ª prisão pela nova lei de maus-tratos a animais na grande Curitiba

08/10/2020 às 08:14.
Foto: Divulgação/Polícia Civil.
Um homem de 65 anos foi preso em flagrante pela Polícia Civil do Paraná suspeito de maus-tratos contra animais em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, na manhã desta quarta-feira (07). A prisão do homem é emblemática, pois este é o primeiro caso de alguém preso pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) após a sanção de Jair Bolsonaro da lei que prevê uma pena maior para o crime contra cães e gatos.

Segundo as investigações, coordenadas pelo delegado Matheus Laiola, três cachorros estava em situações precárias e foram resgatados. Os animais foram encaminhados para uma clínica veterinária. O homem já tinha sido alertado três vezes pelas autoridades e pouco fez para melhorar as condições dos cachorros. “Esta pessoa vai para o centro de triagem e esperamos que a sociedade entenda que se cometer um crime relacionado ao animal e até a flora, a punição pode ser maior”, comentou o delegado.

No último dia 29 de setembro, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 1.095/2019, que aumentou a punição para quem comete abuso, maus-tratos e acaba ferindo ou mutilando animais. A pena prevê reclusão de dois a cinco anos, além de multa e a proibição de guarda. Atualmente, o crime de maus-tratos a animais criada em 1998 previa penalidade de três meses a um ano de reclusão, além de multa. A lei sancionada também prevê punição a estabelecimentos comerciais e rurais que facilitarem o crime contra animais. “O nosso foco é ainda o animal, mas esperamos que as pessoas se conscientizem mais. Agora é uma outra realidade, pois a pessoa chegava aqui e saia. Este aumento punitivo é um grande apoio”, relatou Matheus Laiola.

Prisão em Almirante Tamandaré

O primeiro caso após a sanção da lei ocorreu em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba. No dia 30 de setembro, uma denúncia levou a equipe policial para uma casa e o cachorro estava acorrentado, exposto ao sol e com sinais de desnutrição. Uma pessoa foi autuada já na Lei 1.095/2019.

Foto: Divulgação/Polícia Civil.

Via: Tribuna Do Paraná