Curitiba ganha primeiro “hospital” para pacientes e, fase final

23/06/2017 às 08:48.

Pessoas diagnosticadas com uma doença degenerativa precisam de cuidados que nem um hospital e nem a própria casa conseguem atender. Os chamados ‘hospices’ respondem a essa demanda, fornecendo cuidados paliativos 24 horas por dia, para melhorar a qualidade de vida e reduzir a dor. A partir do dia 1º de julho, inaugura em Curitiba o primeiro hospice da região Sul, que atenderá, principalmente, pacientes oncológicos, mas também idosos ou pessoas com doenças em progressão.

 

Não se trata apenas de um hospital “humanizado” com paredes coloridas e plantas, conforme explica Clarice Nana Yamanouchi, médica cancerologista e diretora médica do Valencis Curitiba Hospice. “A casa é sempre mais acolhedora que o hospital e o hospice tem uma característica mais de domicílio do que de hospital. É um local que dê o mesmo conforto da casa, com os cuidados do hospital, mas sem aquela ‘frieza’. No hospice as pessoas podem trazer objetos pessoais, fotos, retratos, quadros e até a própria cama, se for o caso”, explica.

O hospice de Curitiba terá modalidades de hospedagem diferentes: Hospice Day, Hospice Inn e Hospice VIP (Foto: Divulgação)

Os quartos são equipados com televisores com internet, banheiro privativo e o hóspede pode levar itens pessoais (Foto: Divulgação)

Com seis suítes para quem deseja ficar hospedado no local, ou chamado de Hospice Inn, o novo espaço conta também com a modalidade Hospice Day, em que as pessoas passam o dia e participam de atividades terapêuticas em grupo ou individuais, dependendo da funcionalidade do paciente. Dentre essas atividades, a diretora médica conta que o espaço terá uma horta e um orquidário, para que os hóspedes ajudem nos cuidados das plantas, além de meditação e reiki.

Outra modalidade do local é o Hospice VIP em que, além do paciente, será possível hospedar toda a família, inclusive o animal de estimação – mantendo ainda mais a característica de casa, mas com os cuidados de um hospital. “Quem tiver cachorro, gato, pode trazer também. Temos até um canil que foi feito pensando nisso. A ideia é essa, deixar o local acolhedor, semelhante a casa do paciente”, explica Clarice. Os quartos são equipados com banheiro privativo, armário com cofre e frigobar, televisãoc om acesso à internet e programação de TV a cabo.

O Valencis está localizado no bairro Bigorrilho, em Curitiba (Foto: Gerson Lima / Divulgação)

O Valencis está localizado no bairro Bigorrilho, em Curitiba (Foto: Gerson Lima / Divulgação)

Bem estar

Fazem parte da equipe de atendimento fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, médicos, enfermeiros e psicólogos e todos estão presentes 24 horas. “A ideia é trabalhar o bem estar da pessoa e por isso há um tratamento holístico. A equipe ajuda no controle de sintomas de dor, alívio de fadiga e promovem atividades que ajudam os pacientes nessa fase que é mais difícil”, explica a médica.

Os cuidados paliativos – que visam a redução dos sintomas negativos, como a dor – melhoram, comprovadamente, a sobrevida das pessoas com câncer e na geriatria. “O cuidado paliativo não é indicado apenas para pacientes em fase final de vida, mas para a pessoa com um potencial de uma doença letal ou com o diagnóstico de uma doença grave, com o objetivo de melhorar a sobrevida e a qualidade de vida dele”, reforça a cancerologista.

No hospice, os pacientes recebem cuidados 24 horas de uma equipe de saúde (Foto: Divulgação)

No hospice, os pacientes recebem cuidados 24 horas de uma equipe de saúde (Foto: Gerson Lima /Divulgação)

Convivendo com a morte

Embora boa parte dos hóspedes de hospices estejam em um momento de terminalidade, isso não significa que o espaço seja único e exclusivo a eles – e nem tão somente para pessoas com câncer. “Pessoas em tratamento com o objetivo curativo, mas que tenham muitos sintomas também podem se beneficiar ou quem passa por um período de reabilitação”, reforça a diretora médica Clarice Yamanouchi.

A proximidade entre pessoas com momentos de vida distintos, inclusive, auxilia na própria compreensão do que é vida e o que é morte. “Conviver com pessoas nesse momento ajuda a ter uma relação melhor com a morte, eu acredito que sim. Mostra que a morte também é um processo natural, que faz parte da nossa vida, e que temos que ter um respeito por ela”, diz a médica.

Além dos quartos, o hospice tem áreas comuns a todos os hóspedes, como a sala de jantar (Foto: Divulgação)

Além dos quartos, o hospice tem áreas comuns a todos os hóspedes, como a sala de jantar (Foto: Divulgação)

Serviço:

Valencis Curitiba Hospice

A inauguração do hospice será no dia 1º de julho e a admissão de pacientes começa a partir do dia 3 de julho.

Endereço: Rua Euclides da Cunha, 841. Bigorrilho.

Contato: (41) 3079-8080

Via: Gazeta Do Povo