Criança que se suja fica menos doente

29/04/2019 às 08:22.

Deixar a criança brincar com terra sem que sua mão seja lavada imediatamente é um exemplo de atitude que pode ajudar seu filho a ter contato com a chamada Vitamina S (de sujeira)

Criança com mãos sujas (Foto: jeancliclac/Thinkstock)

Em 1989, o médico inglês David Strachan apresentou a Teoria da Higiene, segundo a qual crianças que vivem em ambientes limpos demais são mais propensas a desenvolver doenças alérgicas. Na sequência, uma série de outros estudos surgiram comprovando sua tese. O excesso de limpeza que vivemos hoje estaria por trás, então, do aumento dos índices desses problemas na população mundial. “Os pais se preocupam em esterilizar tudo a vida toda, mas devem lembrar que, por volta dos 8, 9 meses, o bebê já vai ao chão para engatinhar”, diz Márcia.

E, segundo ela, está tudo bem, afinal, o sistema imune precisa desse estímulo.

Ainda que seja apenas uma hipótese, a recomendação dos médicos é o caminho do meio. Medidas como lavar as mãos ao pegar o recém-nascido e antes das refeições, além de esterilizar bicos e mamadeiras nos primeiros seis meses, são válidas, claro. “Só não dá para, como dizem, criar o filho em uma bolha”, completa o pediatra Moises Chencinski. Para ele, até mesmo usar o micro-ondas em excesso pode interferir na saúde, já que o aparelho elimina todas as bactérias. Deixar a criança brincar com terra sem que sua mão seja lavada imediatamente, não lavar a chupeta toda vez que ela cair no chão, são algumas atitudes que podem ajudar a ter contato com a chamada Vitamina S (de sujeira).

A confeiteira Hannah Salgueiro, 37, mãe de Arthur, 4, seguiu essa linha. O menino nasceu prematuro e só foi para casa depois de um mês, mas ainda assim, a mãe garante que ele é muito saudável. “Como morávamos em apartamento, escolhi uma escola onde ele pudesse brincar ao ar livre e tivesse contato com terra e animais”, conta a mãe. A única doença um pouco mais grave que o menino já teve foi uma otite, no ano passado. Ela também prioriza uma alimentação saudável e escolheu um pediatra alopata e um homeopata. “Como meu filho nasceu com o rim esquerdo menor, busquei o apoio de um especialista que evitasse prescrever medicamentos para qualquer espirro”, completa.

Via: Revista Crescer