Ao Vivo

Covid-19: sem equipamentos, servidores usam touca como máscaras em hospitais no Acre

20/03/2020 às 08:52.

Falta de gorro, máscaras, aventais e até luvas adequadas para atender pacientes com sintomas do novo coronavírus. Esses são alguns dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) que os profissionais de saúde do Acre estão sem acesso em algumas unidades. O Jornal do Acre 2ª Edição mostrou imagens de profissionais da saúde improvisando alguns dos equipamentos de proteção.

Para não ficar sem máscaras, profissionais estão improvisando equipamentos em unidades do Acre — Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

A denúncia foi feita aos Conselhos Regional e Federal de Enfermagem e conferida pelos conselheiros. A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) diz que o problema já foi sanado. Já o Coren-AC afirma que os profissionais ainda seguem sem alguns EPIs para atender pacientes com sintomas de Covid-19.

A Sesacre explicou que houve uma necessidade de adquirir mais kits para coletas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Segundo Distrito, que é a referência para o tratamento do novo coronavírus no estado, mas que o problema já foi sanado. A Sesacre garantiu também que não há falta de material e, para reforçar a aquisição de mais insumos, o Ministério da Saúde liberou um R$ 1,7 milhão para o estado.

O mundo vive uma pandemia de Covid-19, declarada desde a quarta-feira (11) pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O Acre tem três casos confirmados da doença e aguarda a contraprova dos exames, que foram enviados ao Instituto Evandro Chagas, em Belém. Outros 55 casos suspeitos são investigados pelo Laboratório de Infectologia Charles Mérieux, em Rio Branco.

O Brasil contabiliza mais de 500 infectados pela doença, em 20 estados e o Distrito Federal, e quatro mortes até esta quarta (18).

Por conta da situação, o governo do Acre decretou situação de emergência e recomendou que as pessoas fiquem em casa para evitar a propagação do vírus no estado. Vários serviços foram suspensos ou reduzidos obedecendo o decreto governamental.

O G1 organizou uma lista com as alterações informadas pelas instituições. Ela será atualizada sempre que uma nova mudança for divulgada

Sem equipamentos

O conselheiro federal Adailton Cruz lamentou a situação e exigiu providências do Estado.

“O Estado demorou, era para ter essa estrutura com equipes, com equipamento individual e setor físico em todas as unidades das regionais e agora que o estado está correndo atrás. Estamos aqui cobrando e pedindo que os profissionais exijam de seus gestores os equipamentos de proteção. Sem os equipamentos de proteção não podemos dá assistência porque nossa vida está em jogo”, frisou.

Profissionais de saúde denunciam falta de equipamentos de proteção individual em unidades

Profissionais de saúde denunciam falta de equipamentos de proteção individual em unidades

Nas fotos, é possível ver que em algumas unidades os profissionais tiveram que improvisar usando touca descartável. Em outra foto, apesar de usar luvas, touca e máscaras corretas, o avental teria que ser impermeável.

Cruz explicou que há informações de falta de EPIs na Maternidade Bárbara Heliodora, Fundação Hospitalar do Acre (Fundhacre) e hospitais do interior como de Brasileia, Tarauacá e Cruzeiro do Sul. Segundo ele, alguns profissionais estão usando máscaras feitas de tecido, o que não é recomendável.

“O Estado precisa intervir imediatamente porque os profissionais precisam de suporte. No pronto-socorro também porque lá o quantitativo de profissionais é grande e o de equipamentos individuais é pequeno e não está dando para suprir. O Estado tem que providenciar isso com urgência”, exigiu.

Como evitar o contágio

  • Cobrir a boca e nariz ao tossir ou espirrar;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • Limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado;
  • Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos com água e sabão ou usar antisséptico de mãos à base de álcool;
  • Deslocamentos não devem ser realizados enquanto a pessoa estiver doente;
  • Quem for viajar aos locais com circulação do vírus deve evitar contato com pessoas doentes, animais (vivos ou mortos), e a circulação em mercados de animais e seus produtos.

Via: G1