Ao Vivo

Coronavírus: mulheres criam grupo de apoio para pagar boletos de trabalhadoras informais

31/03/2020 às 09:45.

Eventos cancelados, serviços adiados e cortes de dias de trabalho. Com a pandemia do coronavírus, as trabalhadoras informais e autônomas formam um dos grupos mais prejudicados nesse cenário. O trabalho para, mas as contas não, não é mesmo?

Para ajudar e aproximar essas mulheres, a maioria responsável pelo sustento da casa, uma linda rede de solidariedade foi criada para não deixá-las na mão.

A fotógrafa Janaína Kremer, 35 anos, de Porto Alegre (RS), e a professora universitária Lívia Pasqual, 47 anos, de Montenegro, também Rio Grande do Sul, criaram o grupo Boleto+1 no Facebook.

Criado há apenas uma semana, o grupo já reúne pouco mais de 18 mil mulheres de todo o país e tem o objetivo principal de quitar boletos em aberto de serviços básicos, como água e luz, além de levantar doações de mantimentos e anunciar serviços.

capa do grupo Boleto+1
Foto: Reprodução/Facebook
publicação de uma mulher do grupo Boleto+1 pedindo ajuda
Foto: Reprodução/Facebook

“O grupo surgiu diante da preocupação com a situação de mulheres que são mães de filhos sem pai, trabalhadoras autônomas e informais que com sua renda comprometida, muitas vezes, não têm pra quem pedir ajuda”, relatou Lívia.

A profissional informou que além do suporte financeiro, o grupo visa confortar emocionalmente essas mulheres.

“A violência doméstica no Brasil é alarmante e esse número tende a piorar com a quarenta”, disse.

mulher anunciando a ideia de criar o grupo de apoio as mulheres
Foto: Reprodução/ Facebook
comentário de mulher sobre o grupo de apoio a trabalhadoras informais
Foto: Reprodução/Facebook

Hoje, com a grande adesão de mulheres, Lívia e Janaína também contam com a ajuda de mais três mulheres na administração do grupo: Caroline Faleiro, de São Paulo (SP), Priscila Guerra e Tatiana Nequete, ambas de Porto Alegre (RS).

mulheres que criaram o grupo Boleto+1 em apoio as trabalhadoras informais
Mulheres criam rede de apoio às trabalhadoras informais. Foto: Arquivo Pessoal
Via: Razões Para Acreditar