“Cólica menstrual não é normal”, diz especialista em endometriose

05/02/2019 às 11:44.

Médica lança livro dedicado à doença, que afeta 175 milhões de mulheres pelo mundo mas ainda não foi desvendada completamente pela ciência

(Foto: Getty Images/iStockphoto)

Você encara a cólica menstrual com naturalidade? Não deveria. Embora a maioria das pessoas entenda que o desconforto é um sintoma normal nesse período do mês, esse pode ser um forte sinal de endometriose. A doença, que atinge de 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva, ocorre quando o endométrio, tecido que reveste o útero e é eliminado durante a menstruação, passa a crescer fora do órgão. “Cólica menstrual, de moderada para a frente, ou seja, aquela que faz você tomar remédio, quase nunca é normal”, explica a ginecologista e obstetra Rosa Maria Neme, diretora do Centro de Endometriose do Brasil (SP) e autora do livro recém-lançado Endometriose: tudo o que você precisa saber sobre essa doença misteriosa. Confira a seguir entrevista com a especialista.

O que as mulheres precisam saber sobre a endometriose?
A grande questão da endometriose é fazer o diagnóstico. Entre apresentar um sintoma e chegar a ele com precisão, pode se levar dez anos ou mais. Por isso, é importante prestar atenção aos sintomas e, na dúvida, investigar profundamente. Além da cólica menstrual, a paciente pode sentir dor no fundo da vagina durante a relação sexual, apresentar alteração no ritmo do intestino e ter dificuldade para engravidar, por exemplo

A gravidez cura a endometriose?
Não. A gestação é um momento em que a mulher tem um hormônio chamado progesterona produzido pela placenta em altíssimas doses e que protege, apenas temporariamente, contra a endometriose.

Existe uma perspectiva de descoberta de cura?
Ainda não. Hoje, acreditamos que a endometriose seja uma doença ligada à genética e que, talvez, tenha algum fator imunológico. O que existe, por enquanto, é o tratamento com drogas para baixar o nível do hormônio estrogênio, que estimula o problema. Temos formas de controle muito eficazes, mas ainda não há cura.

PRD-GRAVIDEZ-ENDOMETRIOSE-302 (Foto: Divulgação)