Caso Daniel: Allana Brittes troca mensagens com testemunha e cita nova ‘festinha’ um dia após morte do jogador, diz polícia

22/11/2018 às 08:40. Comente esta notícia!

Allana Brittes enviou mensagens para uma testemunha um dia após o assassinato do jogador Daniel, e citou uma nova festa que seria realizada na semana seguinte ao crime, de acordo com o inquérito da Polícia Civil de São José dos Pinhais.

Nas mensagens, Allana, filha de Edison Brittes, convidou a testemunha para comer em um shopping de São José dos Pinhais.

Segundo a polícia, neste encontro, Edison reuniu os envolvidos para combinar uma versão sobre o crime, que deveria ser mantida como um pacto.

Ainda conforme a polícia, Edison afirmou que, se alguém rompesse a versão combinada, ficaria sabendo quem descumpriu o pacto.

O corpo do jogador Daniel foi encontrado após a festa de aniversário de Allana Brittes. Segundo a polícia, o atleta foi espancado e morto. Edison Brittes assumiu a autoria do crime em seu depoimento.

Sete pessoas foram presas: o empresário Edison Brittes; Allana; Cristiana Brittes, esposa de Edison; e os suspeitos de participarem das agressões: Eduardo Purkote, Eduardo da Silva (namorado da prima de Cristiana Brittes), Ygor King e David Willian.

Cristiana, Edison Júnior e Allana estão presos temporariamente — Foto: Reprodução/Facebook

Cristiana, Edison Júnior e Allana estão presos temporariamente — Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com o advogado da testemunha, Jacob Filho, as mensagens enviadas por Allana eram uma “desculpa” para atrair as pessoas que estavam na festa para combinar a versão de que Daniel tinha saído vivo da casa da família Brittes.

“A Allana mandava mensagens com supostas desculpas e mentiras do tipo ‘venha nos encontrar para mais uma festinha’, ‘tem mais um churrasco para fazer’ . [A testemunha] se esquivava e não sabia exatamente o que fazer”, disse o advogado.

A conversa de Allana com a testemunha começou ainda no dia do crime, no período da tarde, e o convite para o encontro no shopping foi feito no dia seguinte ao assassinato do jogador.

De acordo com o advogado da família Brittes, Cláudio Dalledone, não existia nova festa. “Não tinha suposta ‘festinha’. O que nitidamente se interpreta daquilo é que ela atraiu os meninos para terem aquela conversa. Naquele momento, que não houve coação de testemunha, ela ficou responsável por chamar estes meninos”, disse.

“Não tinha festinha de nada. O clima era trágico e todos estavam acometidos pela tragédia”, afirmou Dalledone.

Ameaças

Segundo o advogado Jacob Filho, na semana do crime, a testemunha também recebeu mensagens de um amigo em comum entre ela e Edison Brittes alertando que o jovem estava correndo perigo.

Testemunha do caso Daniel relata ameaças

Testemunha do caso Daniel relata ameaças

A testemunha que recebeu as ameaças está escondida em uma cidade fora do Paraná, segundo a defesa. “Ele está escondido, com muito medo, amedrontado, obviamente, porque se deparou com uma situação como essa”, afirmou o advogado.

A defesa de Edison Brittes afirmou que os áudios apresentados às autoridades policiais não possuem validade jurídica.

Inquérito

O delegado responsável pelo caso, Amadeu Trevisan, informou que o inquérito deve ser entregue ao Ministério Público do Paraná (MP-PR) nesta quarta-feira (21).

Ele também disse que vai indiciar o empresário Edison Brittes e outros três suspeitos por homicídio qualificado e ocultação de cadáver pela morte do jogador Daniel Correa.

A esposa de Edison, Cristiana Brittes, e a filha do casal, Allana Brittes, serão indiciadas por coação de testemunha e fraude processual, de acordo com a polícia.

Veja quem é quem e por quais crimes cada um deve ser indiciado:

  • Edison Brittes: confessou ter agredido e matado Daniel, indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver;
  • Cristiana Brittes: esposa de Edison, indiciada por coação de testemunha e fraude processual;
  • Allana Brittes: filha de Edison e Cristiana, indiciada por coação de testemunha e fraude processual;
  • Eduardo da Silva: namorado da prima de Cristiana, indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver;
  • Ygor King: convidado para o aniversário de Allana, indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver;
  • David Willian da Silva: convidado para o aniversário de Allana, indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver;
  • Eduardo Purkote: convidado para o aniversário de Allana, indiciado por lesões graves.

A defesa da família Brittes informou que só vai se manifestar sobre as impressões do delegado quando ele formalizar o relatório.

A defesa de Eduardo Purkote disse que não teve acesso ao relatório final do inquérito e que mantém o posicionamento que o Eduardo não participou das agressões e dos fatos alegados por alguns dos indiciados.

A defesa de Ygor King e David William da Silva afirmou que só irá se manifestar após ter acesso ao relatório final do inquérito.

A defesa de Eduardo da Silva disse que vai aguardar a manifestação do representante do Ministério Público para se manifestar.

Os laudos do Instituto de Criminalística e do Instituto Médico-Legal (IML), que devem ficar prontos na quinta-feira (22), serão anexados posteriormente.

Com a conclusão do inquérito, cabe ao Ministério Público apresentar ou não a denúncia. A partir disso, se houver denúncia e a justiça aceitá-la, os indiciados viram réus e podem ir a julgamento.

Morte do jogador

O corpo do jogador Daniel, de 24 anos, foi encontrado perto de uma estrada rural na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais, no dia 27 de outubro. O órgão sexual do jogador foi mutilado no crime.

Jogador Daniel foi encontrado morto no dia 27 de outubro  — Foto: Reprodução

Jogador Daniel foi encontrado morto no dia 27 de outubro — Foto: Reprodução

Segundo a polícia, Daniel foi morto depois de uma festa em comemoração ao aniversário de 18 anos da filha de Edison Brittes Júnior. A festa começou em uma casa noturna, em Curitiba, na sexta-feira (26), e terminou na manhã de sábado (27), na casa da família Brittes, em São José dos Pinhais.

Edison Brittes Júnior disse que cometeu o crime porque o jogador tentou estuprar a esposa, Cristiana Brittes. A Polícia Civil informou, depois de ouvir testemunhas, que não houve tentativa de estupro no caso.