Casal deixa emprego para rodar o Brasil em Kombi: ‘liberdade para viajar e trabalhar com internet’

 

 

Viver viajando, acordar cada dia em um lugar diferente e ter novas experiências. O que é sonho para muita gente, virou a realidade de um casal do Paraná. Eles saíram de casa em uma Kombi há mais de um ano, passaram por vários estados do litoral brasileiro e desde o Natal estão em Alagoas.

Em entrevista ao G1, Bruna Ferreira da Silva, 28, e Jow Nader, 30, contaram um pouco da experiência. “Buscamos liberdade para viajar e trabalhar com internet”, diz Bruna.

Eles se consideram “nômades digitais”, porque além de não terem uma moradia fixa, estão sempre conectados à internet. É lá que relatam a aventura e divulgam as camisetas que produzem para vender (e conseguir dinheiro para continuar o roteiro da viagem).

O casal saiu de casa, em Curitiba, capital paranaense, em outubro de 2017. Eles são namorados, e trabalhavam nas áreas de recursos humanos e administração, respectivamente. Um dia, surgiu a ideia de unir os desejos dos dois de saírem por aí, viajando.

“Quando a gente se conheceu, eu queria conhecer o litoral do Brasil, e o Jow queria fazer intercâmbio. Nós, então, começamos a nos organizar para fazer um mochilão, mas percebemos que hospedagem e alimentação são gastos muito altos. Enquanto pensávamos em uma forma de economizar, surgiu a ideia de comprar um carro e transformar em uma casa sobre rodas”, conta Bruna.

 

Batizada de Aurora, a Kombi azul, que virou símbolo da viagem, foi totalmente reformada pelo casal, que a equipou com móveis e outros itens feitos por eles mesmos. Nesse tempo, os dois saíram de seus trabalhos e iniciaram a viagem.

“Já são 14 meses na estrada. Passamos por São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Sergipe e, agora, Alagoas”, diz Bruna, que estava na Barra de São Miguel quando falou por telefone com a reportagem.

O que os diferencia de outros nômades, como aqueles facilmente encontrados em hosteis ou vendendo miçangas na praia, é o fato de terem feito da internet o “terceiro membro” da equipe.

“Ser nômade não é uma novidade. Agora, na era digital, você consegue fazer tudo online, não é preciso um emprego fixo. Buscamos liberdade para viajar e trabalhar com internet. No primeiro ano, a gente vendeu brigadeiro nas praias, e no final do ano passado, montamos uma loja online de camisetas, com estampas e frases inspiradoras da viagem. O site proporciona a renda para que a gente continue viajando”, conta.

As estampas das camisetas são pensadas pelos dois. Uma rede, que conta com fornecedor em Santa Catarina e distribuição por São Paulo, feita pela mãe de Bruna, levam os itens para todo o país.

As redes sociais auxiliam na divulgação do material vendido pelo casal, além de servir de plataforma para contar aos mais de 14 mil seguidores por onde andam e inspirá-los a terem experiências semelhantes.

Uma das paradas do casal em Alagoas foi no Pontal de Coruripe — Foto: Reprodução/InstagramUma das paradas do casal em Alagoas foi no Pontal de Coruripe — Foto: Reprodução/Instagram

“Muita gente espera a aposentadoria para viver viajando, ou quem faz isso jovem é considerado hippie ou vagabundo. Focamos muito nas redes sociais para atingir esse público que quer viver viajando, para mostrar que há outras formas de gerar renda e realizar esse sonho. Antes, eu trabalhava das 8h às 18h, e via a vida escorrer pelos meus dedos e passar pela janela do escritório. Hoje, todo dia é uma experiência nova, enriquece a nossa vida”, contou.

Na passagem por Alagoas, Bruna conta que o que mais chamou atenção foi a receptividade do povo, além da cor do mar.

“Me impressionou muito a cor da água, mas também, principalmente, a receptividade do povo. Tivemos dificuldade em Lagoa Azeda, e algumas pessoas ofereceram ajuda. Por onde a gente passa, perguntam se precisamos de alguma coisa. O Rio São Francisco também me chamou muito a atenção. Para a gente no Sul, ele passa quase despercebido, mas, quando passamos por ele, vemos a beleza e entendemos a importância do rio”, relata a viajante.

O casal segue em Alagoas por tempo indeterminado. Mas a viagem, sempre feita em direção ao Norte, ainda vai passar por todo o litoral nordestino. Depois, a parada é o Peru e, de lá, eles vão descendo a América do Sul, onde pretendem encerrar essa jornada.

“Dizem que quando você começa [a viajar], é muito difícil parar. Depois de concluir nosso roteiro, vamos escolher uma praia no Brasil que tenhamos gostado muito, para ficar de vez, construir uma casa e ter filhos. Mas já nos disseram que não vamos conseguir ficar parados”, brinca Bruna.

Nômades digitais também passaram pela Chapada Diamantina (BA); roteiro ainda inclui países da América Latina — Foto: Reprodução/InstagramNômades digitais também passaram pela Chapada Diamantina (BA); roteiro ainda inclui países da América Latina — Foto: Reprodução/Instagram

Fonte:  G1