Brasileiro percorre mais de 5 mil km para levar 10 toneladas de comida para desabrigados

21/02/2019 às 08:14.

Determinado a ajudar venezuelanos que fogem pela fronteira do Brasil, em Roraima, o paulista radicado no Paraná Luiz Eduardo Pimentel, de 56 anos, percorreu mais de 5 mil km entre Colombo (PR), onde mora, até Boa Vista com dez toneladas de comida. A viagem, feita de caminhão, levou 13 dias e terminou nesta quarta (20).

Gerente de uma loja de pneus usados, ele conta que antecipou salários que receberia pelas férias nos próximos quatro anos e até décimos terceiros para comprar os alimentos e fazer o transporte. Foram R$ 30 mil só para comprar comida e R$ 13 mil para o combustível.

“Vendo pela internet os venezuelanos, adultos e crianças, sofrendo em seu país, passando fome e chegando aqui em Roraima em condições precárias me senti tocado e resolvi ajudar”, conta.

Roraima, que recebe desde 2015 milhares de venezuelanos em fuga da crise, da escassez de comida e remédios no país natal, tem 13 abrigos públicos com mais de 5 mil refugiados. Ainda assim, faltam vagas e ainda há muitos venezuelanos espalhados pelas ruas da cidade.

“Quis trazer ajuda pessoalmente porque para mim não adiantava dar só o dinheiro. Então, eu mesmo comprei e trouxe”.

Além do caminhão, que foi cedido pela firma em que trabalha, ele garante que não recebeu nenhum outro tipo de ajuda financeira. A carga de comida é composta por alimentos não-perecíveis como arroz, feijão, macarrão e farinha de trigo.

“Minha família não gostou da ideia, mas acabou aceitando”, relata. “Tinham horas em que eu pensava que poderia ficar quieto e guardar o dinheiro que usaria para viagens a Israel, para onde vou todos os anos, mas a vontade de ajudar foi maior e os venezuelanos, principalmente as crianças, não podem esperar”.

Antes da viagem para Boa Vista, que começou no dia 8 de fevereiro, ele entrou em contato com militares da operação Acolhida, criada pelo governo federal para receber os imigrantes venezuelanos que chegam a Roraima, e definiu que iria entregar os mantimentos para eles.

Com caminhão cedido para a firma em que trabalha, Luiz fez o percurso sozinho: 'para não dormir tinha que buzinar' — Foto: Emily Costa/G1 RR

Com caminhão cedido para a firma em que trabalha, Luiz fez o percurso sozinho: ‘para não dormir tinha que buzinar’ — Foto: Emily Costa/G1 RR

“Fui ‘escoltado’ por um comboio militar que já estava indo para Rondônia. Lá embarquei com o caminhão em uma balsa até o Amazonas e depois segui só”, relata Luiz que se disse ter dirigido entre 15 e 20 horas por dia e emagrecido 3kg durante os 13 dias de viagem.

“Sentia cansaço, mas a vontade de ajudar era maior. Quando dava sono, buzinava para não dormir e continuava dirigindo”.

Ao chegar a Boa Vista, nesta manhã, ele levou o caminhão com as doações para a 1ª Brigada de Infantaria de Selva, base do Exército em Boa Vista, e entregou os itens aos militares.

Os mantimentos, segundo a assessoria da operação Acolhida, serão repassados às agências que, junto com os militares brasileiros, prestam assistência a venezuelanos em Roraima.

A previsão, ainda conforme a operação, é que o alimento seja doado para imigrantes em situação de rua na capital, sem relação com a ajuda humanitária anunciada pelo governo brasileiro a pedido de Juan Guaidó, opositor de Nicolás Maduro.

“Senti que cumpri minha missão”, finalizou Luiz que tem planos de angariar doações de terceiros para fazer outra viagem a Boa Vista. “Amanhã eu retorno para casa, mas quero voltar em 40 dias com ainda mais comida”.

Sem ter para onde ir, venezuelanos se espalham pelas ruas de Boa Vista — Foto: Emily Costa/G1 RR/Arquivo

Sem ter para onde ir, venezuelanos se espalham pelas ruas de Boa Vista — Foto: Emily Costa/G1 RR/Arquivo

Via: G1