Ao Vivo

Brasileiro de 7 anos vence concurso da NASA com criação de game

18/04/2017 às 08:05.
NASA

Reunindo mais de 6 mil estudantes de até 18 anos do mundo inteiro, a disputa sobre colonização espacial recebe trabalhos em inglês e é realizada anualmente pelo Centro Ames de Pesquisa, órgão da agência espacial americana sediado na Califórnia. A premiação envolve participações individuais ou em grupo, além de prêmios de mérito, como foi o caso de João.

O pequeno paulistano sempre foi fascinado pelos livros e por assuntos como astronomia, esportes, velocidade, e os enfáticos games. Adiantado dois anos numa escola bilíngue, ele chegou aos seis anos de idade já com seu primeiro livro lançado em português e inglês:  “No Mundo da Lua e dos Planetas”.

NASACapa do livro bilíngue.

Na categoria em questão, competiu com pessoas de até 18 anos e empatou com a indiana Nanitha Varma N., que escreveu um poema chamado “My Quest” (Minha busca). Já ele elaborou um jogo eletrônico com base em sua própria obra literária. O Sonic World Space Settlement narra a história de um trio de crianças se aventurando pelo espaço sideral. Elas constroem um foguete com peças recicladas e então exploram o Sistema Solar.

Segundo a mãe do garoto, Margarida Barrera, ele fez tudo sozinho, desde a escrita até a programação do game. “Felicidade extrema em saber que estamos no caminho certo em oferecer para ele uma boa educação e incentivar o gosto pela leitura e pelos desafios, sempre lembrando que a melhor herança que podemos deixar para ele é a firmeza em aspirar triunfos e a capacidade de assimilar insucessos”, disse. Enquanto isso, João queria mesmo dar uma voltinha no mundo da lua. “Eu me senti muito feliz e com vontade de passear no espaço com gravidade zero”, declarou.

O Brasil deu o ar da graça na competição com outros quatro projetos selecionados entre os 1.500 submetidos neste ano. Houve outras três menções honrosas para grupos de São Paulo e um prêmio para a equipe do Instituto Nossa Senhora da Piedade, no Rio de Janeiro.

NASA

Fotos: Reprodução

Via: Razões Para Acreditar