Brasil planeja fim da exigência de visto a EUA, Canadá, Japão e Austrália

07/02/2019 às 17:08.

 

O governo brasileiro estuda dar isenção completa de visto, sem exigir reciprocidade, para turistas dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália e ainda acredita que novas medidas possam valer ainda esse ano.

O assunto faz parte da lista de prioridades para os primeiros cem dias de governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Desde o dezembro de 2017 os turistas americanos, canadenses, japoneses e australianos podem solicitar o visto para viagens de turismo ou de negócios pela internet. Entre essa solicitação, a apresentação de documentos e a liberação, o tempo estimado é de apenas 72 horas, facilitando muito o processo.

No dia 17 de janeiro, os ministros do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se reuniram para discutir detalhes da proposta.

Os ministros já conversaram informalmente sobre o tema e, segundo o titular do Turismo, houve sinal positivo por parte do chanceler. Em governos anteriores, havia resistência na diplomacia à liberação unilateral. “Tive uma conversa preliminar com o ministro Ernesto, e ele vê com muito bons olhos esse caminho de acabar com a política de reciprocidade. A minha proposta inicial é que nesses países onde já foi implantado o visto eletrônico – Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália -, a gente já consiga promover a isenção completa de vistos”, disse Antônio.

As estimativas de impacto econômico para a isenção do visto ainda precisam de estudo. Desde a implementação do visto eletrônico para os quatro países, em dezembro de 2017, os pedidos aumentaram 41% em um ano, conforme o governo. A projeção da pasta é que, se todos esses turistas extras que pediram o visto eletrônico de fato viajarem para o Brasil, poderiam incrementar a receita do setor em US$ 71 milhões (cerca de R$ 265 milhões).

De acordo com dados passados pelo Ministro do Turismo, hoje brasileiros gastam anualmente US$ 18 bilhões no exterior (R$ 67 bilhões), enquanto estrangeiros desembolsam cerca de US$ 6 bilhões (R$ 22 bilhões) no País, a ideia é que haja aumento nesse gasto dos estrangeiros no país, tendo em vista a facilitação do visto.

Leia a matéria completa: Exame.