Bebês prematuros ganham ensaio fotográfico de Páscoa em hospital público

29/03/2018 às 09:34.

As 22 crianças internadas no Hospital de Taguatinga participaram da ação voluntária; veja fotos.

Bebês prematuros internados no HRT se vestiram de 'coelhinhos da Páscoa' para ensaio (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Bebês prematuros internados no HRT se vestiram de ‘coelhinhos da Páscoa’ para ensaio (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Enfeitados com orelhas de coelho, cercados de ovos e bonecos de tecido, segurando minicenouras ou deitados em cestos, 22 bebês prematuros internados no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), no Distrito Federal, se tornaram “modelos por um dia”. Nesta quarta-feira (28), eles participaram de um ensaio fotográfico de Páscoa. A ação foi organizada por duas fotógrafas voluntárias e recebeu o nome de “Páscoa de Amor”.

Para marcar a data, cada mãe foi responsável por elaborar a roupa do bebê. A confecção foi durante uma oficina de costura promovida dentro do hospital público. Feito com material emborrachado, o traje pode ser higienizado facilmente e, por isso, “não há risco de contaminação”, afirma a direção do HRT.

Mariana Raphael/Saúde-DF (Foto: Bebê é preparada para ensaio fotográfico com a temática Páscoa em hopital público do Distrito Federal)

Mariana Raphael/Saúde-DF (Foto: Bebê é preparada para ensaio fotográfico com a temática Páscoa em hopital público do Distrito Federal)

A primeira bebê fotografada pelas voluntárias Ticiane Araújo e Vitória Rodrigues, foi Nicolle Moraes, que nasceu com 800 gramas. Ela, a irmã gêmea e a mãe, Francisca Sousa, de 41 anos, estão no hospital há dois meses. A moradora do DF elogiou o trabalho com a filha.

“Muitas vezes ficamos tristes por causa do longo tempo no hospital e essa é uma forma de nos alegrar.”

Prematuros viraramm modelos em ensaio fotográfico de Páscoa no HRT (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Prematuros viraramm modelos em ensaio fotográfico de Páscoa no HRT (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

‘Páscoa de [muito] Amor’

Alice de Andrade Moura, que nasceu com 950 gramas, foi a segunda bebê a participar do ensaio. A mãe Patrilene Gomes de Andrade, 36 anos, ficou emocionada com a iniciativa. “Muito bonita”, elogiava ela, ao olhar para a filha..

“Para quem está aqui 24 horas, o ensaio também é uma distração e diminui a ansiedade.”

Bebê prematuro do Hospital Regional de Taguatinga, no DF, participa de ensaio fotográfico de Páscoa (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Bebê prematuro do Hospital Regional de Taguatinga, no DF, participa de ensaio fotográfico de Páscoa (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Fotógrafas voluntárias

Idealizadora da ação, a fotógrafa voluntária Ticiane Araújo fez, pela primeira vez, registros em um ambiente hospitalar. Ticiane trabalha há oito meses com fotografia estilo “newborn”, que significa o registro dos primeiros dias de vida de crianças recém-nascidas.

“É um trabalho que exige muito amor, é emocionante”

Mãe posa com filho em ensaio 'Páscoa de Amor'  (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Mãe posa com filho em ensaio ‘Páscoa de Amor’ (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Benefícios

A supervisora de enfermagem da neonatologia do HRT, Kaisa Raiane dos Santos, explicou que a iniciativa também tem como objetivo aproximar os profissionais das famílias dos bebês internados.

“Podemos criar um vínculo maior com os pais, porque sabemos que não é fácil ficar internado.”

A terapeuta ocupacional Mchilanny de Menezes lembra que a ação é parte de um método humanizado aplicado pelo Ministério da Saúde, o canguru. A ideia, segundo a especialista, é proporcionar o contato entre a pele da mãe e a do bebê.

“Tentamos combater a ociosidade, porque isso traz sofrimento psíquico e elas ficam angustiadas”, explica Mchilanny, quando fala sobre as mães que passam meses no hospital esperando que o filho ganhe peso e esteja bem de saúde para poder ter alta.

Bebê fotografado em ensaio de Páscoa (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Bebê fotografado em ensaio de Páscoa (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Mchilanny também explica que o bebê percebe a proximidade da mãe, sente o cheiro da pele e tem o contato, o que contribui para o ganho de peso.

“Ele ouve a voz da mãe, escuta as batidas do coração.”

Bebê prematuro em ensaio de Páscoa, no DF; mãe usa método canguru e segura filho junto ao corpo (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

Bebê prematuro em ensaio de Páscoa, no DF; mãe usa método canguru e segura filho junto ao corpo (Foto: Mariana Raphael/Saúde-DF)

No Hospital Regional de Taguatinga (HRT), segundo a Secretaria de Saúde, são realizados cerca de 300 partos por mês. Dos 22 bebês fotografados nesta quarta, seis estão internados na unidade de terapia intensiva neonatal e os demais nas unidades que exigem cuidados intermediários

Via: G1