Ao Vivo

Armas e Flores | Doutor 98

03/04/2017 às 12:23.

Sem qualquer sombra de dúvida, criança é bicho danado.

A munição estava escondida no armário da cozinha, em uma caixinha de remédio. O revólver estava devidamente enrolado numa toalha de rosto, no alto do guarda-roupa do quarto de casal.

Mas meninos de sete anos são danados. Enquanto a mãe aproveitava o sol para podar sua bela roseira, ele escalou o armário da cozinha, depois subiu no guarda-roupa e logo estava no tapete da sala, brincando com a arma já carregada.

O tiro fez com que a mãe se cortasse entre as rosas. Ao entrar em casa, em meio ao choro e cheiro de pólvora, ela se apavorou com a cena.

Foto: arquivo

Ao empunhar o revólver com uma mão e segurar a boca do cano com a outra, o moleque acabou efetuando um disparo que arrancou metade de sua mãozinha esquerda. Havia desespero e sangue e lágrimas. Até o final do dia de hoje, três a quatro crianças serão mortas no Brasil pelo poder de fogo de uma arma. Entre balas perdidas e ‘encontradas’, sobra tiro para todos os lados. Apenas no Paraná, entre adultos e crianças, umas sete pessoas morrem todos os dias na base da ‘bala’.

Polêmicas à parte sobre o desarmamento – ou não – de um país em plena guerra civil, a verdade é que o porte de um mecanismo tão letal exige bem mais do que responsabilidade. Segundo alguns policiais, uma arma pode ser um imã para todo tipo de desgraça. Então cuidado, pois esse magnetismo pode ser poderoso.

Nossas crianças que o digam.

Pense nisso. Até a próxima, se cuida.

Dr Carlos Valério Andrade| CRM-PR 35.499

Doutor 98 – De Seg a Sex ás 10hrs em 98,9fm ou ouça online