Ao Vivo

Após tentar engravidar por 7 anos, mãe dá a luz gêmeos, mas um deles morre dormindo na cadeirinha

16/10/2019 às 08:57.

A cadeirinha de transporte faz parte da rotina das famílias, mas é preciso ficar atento. O hábito de deixar as crianças sentadas nesse tipo de dispositivo por muito tempo pode se tornar uma tragédia. Foi o que aconteceu com o casal Ryne e Rachel Jungling de Dakota do Norte, nos Estados Unidos. Após lutar contra a infertilidade por sete anos, Rachel conseguiu engravidar de gêmeos: Anders e Linnea. No entanto, um deles, Anders, morreu enquanto cochilava na cadeirinha, na creche.

Segundo o site TODAY Parents, as investigações concluíram que a criança morreu por asfixia, porque estava em uma posição inadequada no assento. Quando ela cochilou, provavelmente, seu queixo caiu e esse movimento interrompeu a passagem de ar.

No carro, as crianças ficam no assento, mas com a cabeça inclinada, isso permite que sua cabeça fique para trás e as vias aéreas abertas. “Elas não têm os músculos do pescoço totalmente desenvolvidos. Por isso, não podem ficar muito tempo sentadas na cadeirinha”, diz Lorrie Walker do Safe Kids Worldwide, organização que trabalha com a prevenção de lesões na infância.

Ryne e Rachel Jungling (Foto: Arquivo pessoal)

Hoje, o casal trabalha junto com a Safe Kids Worldwide para conscientizar os pais sobre os perigos de não checar as crianças de tempos em tempos, enquanto elas estão dormindo na cadeirinha.

Bebê conforto não é cama

Deixar a criança dormindo no bebê conforto ou na cadeirinha tem se tornado um hábito cada vez mais comum. No estudo, publicado pela Pediatrics, pesquisadores da Academia Americana de Pediatria analisaram dados de 2004 a 2014 do National Center for Fatality Review e Prevention. De 11.779 mortes relacionadas ao sono infantil, 3% ocorreram em dispositivos de sentar. Destas, 62,9% eram de automóveis. No entanto, o que chamou atenção é que em mais da metade dos casos (51,6%), as crianças estavam sentadas no bebê conforto em sua casa quando as mortes ocorreram.

Via: Revista Crescer