Andressa Urach é nomeada assessora da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia do RS

28/02/2019 às 15:29. Comente esta notícia!

 

A ex-modelo Andressa Urach foi nomeada para assumir o cargo de assessora da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. A informação foi confirmada pelo gabinete do deputado estadual Sérgio Peres (PRB), responsável pela indicação, que assumiu o cargo de presidente da Comissão no útlimo dia 20.

Andressa será responsável por atender civis e organizações sociais que busquem a Comissão para realizar denúncias e apresentar demandas relacionadas a temáticas dos direitos humanos. Segundo a assessoria de Sérgio Peres, ela foi escolhida pelos trabalhos que realiza em presídios e pela participação em projetos de apoio às mulheres. No dia 7 de outubro de 2018, primeiro turno das eleições, Andressa usou seu perfil no Instagram para comemorar a vitória de Peres no pleito.

No dia 22 de fevereiro, Andressa publicou em suas redes sociais que havia começado a trabalhar como assessora parlamentar de Peres na Comissão. Segundo a assessoria do deputado a informação foi publicada de maneira equivocada, já que Andressa vai realizar a assessoria da Comissão, não do parlamentar.

 

 

Andressa no gabiente do deputado Sérgio Peres. Entre eles está o pastor Leandro Oliveira, da Igreja Universal
Andressa no gabiente do deputado Sérgio Peres. Entre eles está o pastor Leandro Oliveira, da Igreja Universal Foto: Reprodução/Instagram

 

Na postagem, Andressa disse estar muito feliz com a notícia e que queria compartilhar a novidade porque “ama cuidar das pessoas”. “Sei que nós temos muito trabalho pela frente. Juntos vamos lutar por um país melhor. Vou compartilhando nosso trabalho para vocês acompanharem de perto tudo que estamos fazendo, uma política limpa e transparente”, escreveu.

Andressa Urach que participou do “Miss BumBum” em 2012, abandonou a carreira de modelo e hoje se dedica à religião evangélica, depois de ter lançado, em 2015, sua autobiografia intitulada “Morri para viver”. A gaúcha ficou entre a vida e a morte após uma infecção causada pela aplicação de hidrogel no corpo e se converteu após a a recuperação.

 

 

Fonte: Extra