Alunos do CEP serão remanejados pra outras escolas por conta de mega restauração

30/11/2018 às 08:12. Comente esta notícia!

Nos próximos dias pais e alunos do Colégio Estadual do Paraná serão informados pela Secretaria da Educação (SEED) quais serão os procedimentos que serão adotados para o remanejamento de alunos durante as obras de restauro que serão feitas no prédio do CEP. Previstas para durarem aproximadamente 15 meses, as obras aprovadas pelo Governo do Estado em junho de 2018, devem começar ainda em dezembro e preveem mudanças importantes nas instalações da escola. Para tanto, a rotina de 3.162 alunos deverá ser alterada, já que o projeto prevê a interdição de boa parte das salas de aula do edifício durante as obras.

Colegio Estadual do Parana

Classificada pela SEED como a “maior reforma desde a construção do prédio”, a obra será executada pela empresa Construtora & Incorporadora Squadro Ltda, vencedora do processo licitatório concluído em julho e fechado no valor de R$ 16.970 milhões. Viabilizado pela multinacional de carros Volkswagen do Brasil, como contrapartida aos incentivos recebidos dentro do programa Paraná Competitivo, o projeto arquitetônico concluído já há dois anos inclui a restauração do prédio principal, e renovação das instalações elétricas e hidráulicas do edifício, além da modernização dos elevadores, instalação de sistema de segurança, pintura e paisagismo.

Diante das mudanças, pais e alunos se questionam como ficará a rotina no Colégio Estadual do Paraná durante o período de obras. Quem responde é própria SEED, que, por meio de nota enviada à Tribuna, esclarece que dos 3.862 alunos do Estadual, 2.250 permanecerão na escola durante a reforma. Para tanto, esses alunos serão distribuídos em 22 turmas. Já os demais devem ser remanejados entre quatro instituições: Colégio Estadual Amâncio Moro, Colégio Estadual Tiradentes, Colégio Estadual Conselheiro Zacarias e Instituto Estadual de Educação do Paraná Professor Erasmo Pilotto.

Segundo a SEED, a divisão será feita em etapas, conforme o andamento das obras e a disponibilidade das salas de aula das demais instituições. “Sem prejuízo pedagógico para os alunos”, conforme a própria secretaria afirmou, pais e estudantes do Estadual serão informados ao longo desta semana sobre o local no qual as aulas serão administradas no ano letivo de 2019.