Ao Vivo

Alerta: Curitiba passa de mil mortos por Covid-19, e taxa de transmissão do novo coronavírus volta a subir

03/09/2020 às 08:26.

Curitiba passou da marca de mil mortes por Covid-19, de acordo com a prefeitura. Além disso, a taxa de transmissão do novo coronavírus voltou a subir – cada 100 infectados transmitem a doença para 114 pessoas.

“Nossa taxa de replicação subiu para 1,14. Esse é um sinal muito ruim. Vi que as coisas voltaram para o lado que a gente não queria que voltasse. A gente estava indo muito bem para baixo, e a gente passou de volta para o número que a gente não gostaria de estar dizendo”, afirmou a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Curitiba vive pandemia do novo coronavírus há quase seis meses — Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS

Curitiba vive pandemia do novo coronavírus há quase seis meses — Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS

Os dados divulgados pela Secretaria Municipal da Saúde na terça-feira (1º) mostraram que, ao todo, 1.010 pessoas morreram na cidade em decorrência do coronavírus.

Os primeiros casos confirmados da doença na capital paranaense foram registrados em 12 de março. Agora, são mais de 33 mil.

O último informe da prefeitura sobre a Covid-19, que é de terça-feira, apontaram os seguintes números:

  • 33.368 casos confirmados
  • 638 casos suspeitos
  • 28.148 recuperados
  • 1.010 mortes

Taxa de replicação

Segundo especialistas, quando a taxa de replicação do vírus está acima de 1, a doença está em evolução. Essa é a atual situação de Curitiba.

Para ter uma desaceleração da pandemia, a taxa de replicação tem que estar abaixo de 1. Foi o que aconteceu no dia 17 de agosto, quando a Prefeitura de Curitiba anunciou a troca da bandeira laranja pela amarela

Taxa de replicação do coronavírus em Curitiba voltou a subir — Foto: Reprodução/RPC

Taxa de replicação do coronavírus em Curitiba voltou a subir — Foto: Reprodução/RPC

A taxa de replicação estava em 0,88. Isso quer dizer que 100 pessoas infectadas podiam transmitir, em média, o vírus para outras 88.

Em 25 de agosto, a taxa de replicação era de 0,76, isto é, 50% a menos na comparação com a taxa atual.

“A gente sabe que a gente vai ter essas ondulações e precisamos estar preparados”, afirmou a infectologista da Secretaria Municipal da Saúde, Marion Burger.

‘Momento ainda é crítico’

Em todo o Paraná, conforme o boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) de terça-feira, 3.306 pessoas morreram vítimas do coronavírus e há 132.145 casos confirmados.

Nesta quarta-feira (2), a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde da Sesa, Maria Goretti David Lopes”, afirmou que “o momento ainda é crítico”.

“Temos que evitar viagens, reuniões de famílias, reuniões de grupos, festas. Nós não podemos agora deixar crescer o número de casos e, principalmente, o de óbitos no Paraná”, reforçou Maria Goretti.

A especialista frisou quais são os cuidados necessários para evitarmos o crescimento de casos de Covid-19. São eles:

  • Ficar em casa
  • Cuidar dos familiares
  • Manter as medidas de proteção
  • Usar máscara
  • Higienizar as mãos
  • Distanciamento físico

Taxa de ocupação em Curitiba

Ainda de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, na terça-feira, a taxa de ocupação geral dos 355 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de enfermaria do Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para Covid-19 para adultos e crianças, em Curitiba, era de 80%.

Considerando os leitos de UTI adulta, pela rede pública, a taxa era de 83%. Na ala pediátrica, a ocupação dos leitos de UTI era de 29%.

Já os leitos de enfermaria adulto e pediátrica pelo SUS apresentavam taxa de 78% de ocupação.

Bandeira amarela

Em meados de agosto, a prefeitura entendeu que Curitiba voltou ao nível 1 na avaliação dos riscos do coronavírus. Com isso, a capital adotou a bandeira amarela depois de pouco de mais de dois meses na bandeira laranja – que representa o nível 2.

Secretária de Saúde de Curitiba explica o cálculo da última mudança de bandeira

Ou seja, desde 18 de agosto, medidas menos rígidas estão em vigor: bares, parques e feiras livres foram liberados, por exemplo. A Feira do Largo da Ordem, que ficou suspensa por cinco meses, voltou a funcionar.

No sábado (29), com sol e calor, os parques da capital ficaram lotados. Márcia Huçulak chegou a dizer nesta semana que há risco de Curitiba voltar para a bandeira laranja.

“A gente já começa a sentir a repercussão [do fim de semana.] Hoje a gente amanheceu nas nossas UPAs com aumento de pessoas procurando o serviço de saúde”, disse Márcia Huçulak na terça-feira.

A secretária municipal ressaltou que aglomerações precisam ser evitadas.

Via: G1