Ao Vivo

Adesivo de mel para diabéticos regenera pele em 21 dias: gratuito

20/10/2020 às 08:37.

Curativo de mel – Foto: reprodução / Nation

Cientistas desenvolveram um adesivo feito à base de mel para regenerar a pele de pessoas diabéticas que têm feridas nos pés e nas pernas.

O adesivo foi criado por pesquisadores do Centro de Estudios Superiores de Tepeaca, em Puebla, no México. Eles aplicam um mel virgem e um remendo feito de cera de colmeia.

O diretor da Unidade Avançada de Feridas do Serviço Médico San Baltazar, diz que o tratamento tem sido benéfico em pacientes que iam ter os pés amputados devido a feridas infectadas.

O Dr. Armando Acevedo Méndez, da Sierra de Puebla, conta que teve contato com abelhas desde os cinco anos de idade porque a família dele costumava colher mel.

Ele passou a experiência aos alunos, que decidiram submeter o mel a estudos bacteriológicos e descobriram que ele tinha propriedades curativas.

O adesivo

Eles fizeram um remendo que pode ser moldado para se ajustar à ferida.

Primeiro a ferida é desinfetada, depois o mel é colocado por cima e aí vem o remendo, coberto com um pano chamado organdi.

Com este adesivo, além de melhorar as condições de cicatrização, os pacientes também reduzem a carga bacteriana da ferida.

Testes

O tratamento foi testado em um grupo de 15 pacientes. Eles receberam o tratamento com duração entre 14 e 21 dias.

As feridas de seis pessoas cicatrizaram completamente. Outras oito continuaram no processo e observaram melhora. Um idoso desistiu porque não havia quem o levasse para fazer os curativos.

”Temos cada processo registrado em arquivos clínicos”, garantiu Armando Acevedo Méndez.

Como os resultados têm sido favoráveis, decidimos participar do Prêmio Nacional de Inovação e Tecnologia para a Inclusão Social (INNOVATIS) na área de saúde e dos 196 participantes, ficamos em sexto lugar. O prêmio foi patrocinado pelo CONACYT, CIDE, UAM e SEDESOL ”, contou.

Gratuito

A ideia de curar com mel nasceu no Centro de Estudos Superiores da Tepeaca.

Lá, um grupo de alunos se dedicou a estudar os problemas de saúde que desencadeiam o diabetes, já que naquele estado mais de 90 mil pessoas sofrem da doença.

O tratamento é que é totalmente gratuito e as pessoas que necessitarem podem comparecer aos sábados na Unidade Avançada de Feridas do Serviço Médico San Baltazar ou marcar consulta.

“O que importa para os diretores da escola e do hospital é que as pessoas tenham um tratamento adequado e gratuito, para não amputar membros”, disse o Dr. Armando.

Ele disse que o adesivo não será vendido. Será doado.

“Já o patenteamos e queremos que o produto seja cem por cento de Puebla, por isso não será vendido a nenhum laboratório farmacêutico, queremos que seja acessível à população que carece de recursos e por isso não segue um tratamento ”, concluiu.

Dr Armando e a equipe: Foto: divulgação
Dr Armando e a equipe: Foto: divulgação

Com informações do Nation