A famosa praia em que ninguém pode pôr os pés

21/02/2019 às 16:54. Comente esta notícia!

 

Há centenas de praias de areia branca intocadas ao longo da costa da Tailândia, mas uma pequena baía, quase escondida por falésias calcárias, se tornou obsessão mundial.

Durante anos, turistas chegavam em levas desconcertantes na esperança de pisar no “paraíso”. Até que um dia, no ano passado, a praia foi fechada para visitantes.

Na década de 1990, uma equipe de filmagem decidiu que Maya Bay, na ilha de Phi Phi Leh, no sul da Tailândia, era o tipo de paraíso na terra onde um grupo de pessoas que queria reconstruir a sociedade do zero poderia se instalar.

O filme A Praia, estrelado por Leonardo DiCaprio, foi lançado no ano 2000. Baseado no livro homônimo de Alex Garland, o longa conta a história da busca de um mochileiro por uma praia secreta intocada pelo turismo. Obviamente, as coisas desandam no paraíso.

Desde então, essa minúscula, mas agora icônica, faixa de areia tem encabeçado a lista de destinos dos sonhos de viajantes ao redor do mundo.

O volume de visitantes, que já era alto, registrou um pico espantoso em 2016, quando turistas chineses começaram a chegar em grande quantidade.

 

© BBC


© BBC

 

Barcos e mais barcos lotados de turistas ancoravam na baía de areia branca.

Muitos chegavam para garantir a selfie perfeita. Esperavam encontrar um local remoto e sossegado, mas se deparavam com um cenário barulhento e abarrotado de gente.

 

Mais de 3,5 mil turistas chegavam a desembarcar por dia em Maya Bay© Getty Images

 

Na alta temporada, a costa de 300 metros de extensão recebia 3,5 mil visitantes por dia. Um cenário de festa, mas nada paradisíaco.

Os barcos cobriam quase toda a extensão da baía – enquanto outros faziam fila para lançar suas âncoras. Às vezes, havia tão pouco espaço na areia que as pessoas precisavam ficar em pé sem conseguir relaxar e contemplar a paisagem.

Com o tempo, as avaliações do TripAdvisor se tornaram cada vez mais exacerbadas por causa das multidões, com Maya Bay sendo classificada como “imunda” e “nojenta”.

 

© BBC

 

Em 2018, autoridades e operadoras de turismo que atuam na ilha de Phi Phi perceberam que os números eram insustentáveis.

O Departamento de Parques Nacionais, Vida Selvagem e Conservação de Plantas da Tailândia convocou uma reunião de gestão de crise – Maya Bay está localizada dentro de um parque nacional.

Apesar da preocupação da indústria de turismo, as autoridades argumentaram com sucesso que a praia deveria ser fechada.

Elas mostraram que os recifes de corais foram seriamente danificados e o ecossistema precisava desesperadamente de tempo para se recuperar.

No dia 1º de junho, as autoridades estabeleceram uma linha de demarcação que os barcos não poderiam ultrapassar, e começaram a patrulhar a área para garantir que ninguém entrasse na área da baía.

Thon Thamrongnawasawat, cientista marinho da Universidade de Kasetsart, na Tailândia, que estudou Maya Bay e a região por 40 anos, foi contratado pelo governo para avaliar os danos ambientais e liderar a recuperação da área.

“Em 1998-1999, aproximadamente 30% dos corais estavam danificados, mas agora esse percentual é de 90%.”

 

Recifes de coral mortos - muitos barcos acabavam ancorando nelesRecifes de coral mortos – muitos barcos acabavam ancorando neles

 

Os recifes de coral são frágeis e muito sensíveis à qualidade da água. Grandes multidões vão ser sempre prejudiciais, porque as pessoas pisam e tocam neles.

Mas o grande problema eram as centenas de barcos, que ancoravam neles, vazando óleo e assustando os peixes.

Agora, a caminho de Maya Bay, ainda existe um fluxo regular de barcos, mas eles só podem ancorar a 300 metros de distância e observar de longe a ilha paradisíaca. O que não impede, no entanto, a profusão de selfies.

A equipe da BBC recebeu autorização para visitar a praia, e quando nossa lancha cruzou a linha de boias com sinais de “não entre”, ouvimos algumas reclamações de turistas aglomerados na “fronteira”. Alguns disseram que tinham ido à Tailândia apenas para visitar Maya Bay e não tinham se dado conta que estava fechada.

Após mais de seis meses de esforços de conservação, associados à proibição de toda a atividade humana na baía, é possível observar alguns sinais positivos. Um mergulhador nos mostrou como novos corais estavam começando a crescer – embora leve décadas até que atinjam a maturidade.

 

© BBC

 

E eis que surgem…

Cerca de 50 a 60 tubarões-de-pontas-negras-de-recife começaram a visitar a baía todas as manhãs. As águas rasas são ideais para a espécie – e três fêmeas escolheram Maya Bay para dar à luz seus filhotes. Thon chama eles de “a criatura mais legal do mar” e isso, na opinião dele, é um presente.

“Eles são um símbolo da natureza, todo mundo sabe disso. Sessenta tubarões merecem ser protegidos.”

Mas quanto tempo isso pode levar? As autoridades afirmam que estão comprometidas a reabrir Maya Bay quando souberem qual é a verdadeira capacidade da praia – o número de pessoas que ela pode receber de forma sustentável diariamente.

Mas para as empresas, é um momento inquietante.

“Precisamos reconhecer que os turistas que vêm para as ilhas Krabi e Phi Phi sonham conhecer Maya Bay ou ‘A Praia’. Logo que eles chegaram e o fechamento foi anunciado, alguns cancelaram o passeio. Não podiam visitar a atração principal”, diz Ekawit Pinyotamanotai, presidente do conselho de turismo de Krabi.

Apesar da fama, Maya Bay é apenas uma pequena praia. O dano às águas da Tailândia devido ao turismo desenfreado é um problema muito maior.

A área total de recifes de corais degradada na Tailândia aumentou de 30% para 77% em apenas uma década, de acordo com o professor Thon Thamrongnawasawat.

Ele responsabiliza a água contaminada despejada por hotéis à beira-mar e os resíduos plásticos jogados no oceano como as principais causas.

Talvez Maya Bay seja um sinal de que a Tailândia está avançando nos esforços para preservar seus recursos naturais.

Mas para um país altamente dependente do turismo economicamente, também pode ser uma prova de que é preciso chegar a uma situação limite para que uma atitude seja tomada.

 

Fonte:  BBC