Fique Sabendo

O Contestado em encenação épica

19 de dezembro de 2013, 10:36. Comente esta notícia!

Após cem anos do início do maior conflito armado já vivenciado no Paraná, é impressionante a pouca informação que a população do estado tem da Guerra do Contestado. Sanar um pouco dessa carência foi um dos motivos da escolha do espetáculo A Guerra dos Fanáticos como show beneficente do ano pelo Teatro Lala Schneider. A encenação será hoje, às 20h30, no Guairão (veja o serviço completo no Guia Gazeta do Povo). No ano passado, a opção foi pela Comédia do Fim do Mundo.

Estreada há três anos, foi em 2013 que a peça arregimentou seus 12 protagonistas e cerca de 20 figurantes para trilhar as picadas do estado e se apresentar em localidades por onde certamente passaram os combatentes caboclos do Contestado – que lutaram contra soldados do Paraná e da União, com um saldo estimado em 20 mil mortes. Graças à lei de incentivo Rouanet, o trabalho passou por cidades como União da Vitória, Rio Negro e Palmeira.

A trama mostrará as motivações dos camponeses e trabalhadores que largaram tudo para se juntar a uma comunidade que, aos poucos, construiu o discurso de guerra santa e se enfrentou por terras durante quatro anos.

A apresentação é musical com trilha executada ao vivo – hoje, com participação da banda da Polícia Militar.

A ideia do Lala Schneider é trazer todo fim de ano uma peça beneficente. “Fazemos um espetáculo didático com tom épico [incluindo narração] para aqueles que não conhecem a história”, contou à Gazeta do Povo o diretor e autor do roteiro, João Luiz Fiani.

Caipiras

Para fevereiro do ano que vem, Fiani fará uma estreia que ele define como um sonho antigo: encenar a vida de Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, autores de muitas das músicas caipiras cantadas hoje no Paraná. “As pessoas vão se surpreender, porque ele era um visionário. Vamos falar sobre o que é a vida de artista.”

Fonte

Nenhum Comentário

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

*

*