Fique Sabendo

Figurino de “Joia Rara” de época, mas na moda!

16 de setembro de 2013, 11:35. Tags: , . Comente esta notícia!

Trajes de monges budistas, dos operários, dos burgueses e das vedetes vão colorir a tela da TV a partir de setembro. A diversidade e a mistura de tendências da época – a trama se passa entre 1935 e 1945 – vão dar o tom do figurino e caracterização de Joia Rara, a nova novela das seis.

Para Alê de Souza, conceituador dos visuais dos personagens, o público vai se identificar com alguns elementos atuais nos looks das personagens. “Tem que ter um frescor. Eu, Marie (Salles, figurinista), Amora (Mautner, diretora-geral) e Ricardo (Waddington, diretor de núcleo) somos fãs de releituras. A gente gosta de dar uma mexida, uma modernizada em tudo. Então você enxerga a referência, mas tem um suspiro de modernidade em tudo”, explica Alê.

Uma surpresa vem do núcleo do cabaré. Além dos figurinos de show, todos carregados no brilho, o público vai poder ver as vedetes “desmontadas”. “É importante que nas cenas de ensaios as vedetes estejam com um visual mais realistas. Quem fica arrumada em casa ou fazendo exercícios? O público precisa ver ainda como as pessoas demoravam para se arrumar, como faziam os cabelos e como era a underwear (roupas íntimas)”, justifica a figurinista Marie Salles.

Na década de 30, as saias na altura da batata da perna e a cintura marcada eram as principais tendências da moda feminina. Já os homens usavam ternos de golas pontudas e gravatas largas. Marie vai transferir essas referências para os personagens, deixando bem definidas as classes sociais. “Os ricos da alta burguesia, com seus modelos muito rígidos e bem cortados, e os pobres do cortiço, com suas roupas envelhecidas e despojadas”, adianta a figurinista, cujo trabalho é marcado por misturar peças contemporâneas com modelos de costura e brechó.

Para as cenas gravadas no Nepal, Marie levou 24 malas com 32kg cada uma, totalizando cerca de 200 peças de roupas e acessórios. Lá foram confeccionados mais vestimentas de monge e quimonos. “Misturei várias culturas orientais. Cada roupa dos monges que fizemos tem um tom de vermelho, para dar profundidade e não ficar uma só massa na tela”, detalha.

Joia Rara é escrita por Duca Rachid e Thelma Guedes. A direção geral é de Amora Mautner e a direção de núcleo é de Ricardo Waddington. A estreia está é nesta segunda, 6 de setembro.

    

Fonte

Nenhum Comentário

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

*

*