Fique Sabendo

Cauã comenta ‘Amores Roubados’ e fala que quer mais três filhos

20 de janeiro de 2014, 10:02. Comente esta notícia!

Na noite deste domingo (19), o Fantásticoexibiu uma entrevista com Cauã Reymond e Dira Paes, atores que nas última semanas ganharam destaque com seus personagens e as cenas quentes da minissérie Amores Roubados. Justamente comentando esses momentos sensuais, o ator disse: “com a Dira foi algo muito quente. Ela já era um fenômeno da sensualidade no cinema e agora é na TV também”. 

Cauã disse ainda que algo que o intrigou em seu personagem, Leandro, foi a forma como se utilizava de diversas maneiras para se aproximar das mulheres, de acordo com seus perfis, e como isso também ajudava a criar uma ligação com as atrizes. “No caso da Isabel, ele foi através de poemas, ele tentou chegar no coração dela antes de chegar na pele. Já com a Antonia, ele estava acostumado a seduzir mulheres mais velhas e daí se deparou com uma menina da idade dele e se apaixona”. 

Por sua vez, Dira também elogiou o colega: “eu me deixei levar pelo encontro artístico com o Cauã. Ele é muito generoso”. 

Vida Pessoal
Sobre sua vida pessoal Cauã falou sobre a dificuldade de gravar no Nordeste e enfrentar a distância e a saudade da filha, Sofia, de 1 anos 7 meses, do relacionamento de sete anos com Grazi Massafera. Na véspera do Natal de 2013, ele anunciou a separação. Vale lembrar que Isis Valverde, que interpretou Antonia na minissérie, foi apontada como pivô do divórcio. 

“Quero vários, pelos mais uns dois ou três filhos”, disse o ator sobre a paternidade. “Eu tinha uma visão meio machista do que o pai tinha que fazer e do que a mãe tinha que fazer, mas hoje me sinto totalmente “pãe”. 

Questionado sobre como encarou a separação e se já está tranquilo quanto a isso, desconversou: “eu prefiro tratar isso com delicadez e não discutir isso com o público. Mas o trabalho me acalma”.

Fonte

Nenhum Comentário

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

*

*

*